A HABITAÇÃO OUTRA, de Ramiro Torres

A HABITAÇÃO OUTRA

Ao Pedro e à Estefania, ourives violetas.

Pérolas lavradas no coração
Acodem à queimadura trazida
Aos dedos por este relâmpago,
Longe de tudo, sangrante a vida
Fora do tempo, passadas as
Rotas às ilhas presentes em redor.

Desconhecer aqui as minhas roupas
É o meu dever: não tenho pátria
Senão for este espelho aberto,
Com linhas de fuga ao começo
De um canto a se confundir por
Toda a parte com um habitar outro.

R. T. – 01-2008

Share

3 comments to A HABITAÇÃO OUTRA, de Ramiro Torres