«Tacto da calor súbita…», por Ramiro Torres

Para Ricardo Morente, na desconhecida família comum.
Para o François e a Dulce, procuradores de mundos.

Tacto da calor súbita trazendo pedaços de lua
Sobre a mesa ardente com frutos desaparecidos:
Ouves o mistério para deixar em casa o medo
E apanhar nas mãos a louca voz que o amor,
Tarântula azul, outorga para desnudares a alma
No cimo deste bosque sem caminhos onde só
Tu sabes andar, meu animal adormecido que
Murmuras à Noite o nome primeiro do poema.

R. T. Mesoiro, Maio de 2009.

Share

6 comments to «Tacto da calor súbita…», por Ramiro Torres