O ato poético

O ato poético puro é somente a sombra de um processo mental, total na sua essência e livre na sua conceição. Mas tal ato não deixa de ser uma imagem própria, uma criação com sentido autônomo, como acontece com as “sombras chinesas”.

Alfredo Ferreiro e Pedro Casteleiro (Acrunha, 16 de janeiro de 1994).

{Grupo Surrealista Galego}

Share

Deixar uma resposta