“Os aforismos do riso futurista (Autores galegos polo aforismo)”

Os aforismos do riso futuristaOs textos abaixo publicados pertencem ao livro Os aforismos do riso futurista (Autores galegos polo aforismo), coordenado por Francisco Pillado e Xavier Seoane (Edicións Xerais, 2017), e composto polo contributo coletivo de 48 autores.

1. A audácia é a supérflua genialidade do nosso tempo

2. A moda é a esteira das mentes criativas

3. Os sonhos são uma realidade difícil de assumir

4. Para alguma gente a vida divide-se entre dinheiro e hipóteses de negócio

5. Neste mundo tudo se repete de um jeito distinto cada vez

6. A vida consiste em sucessivas mutações do amor

{Palavra Comum}

Share

“Periferias” do Festival Noroeste 2017

Este foi o resultado do nosso trabalho dentro da equipa Periferias” (Inés Inés Pose Regueiro, Nerea Mesias Rabuñal, Jorge Lama e Alfredo Ferreiro) no atelier #NoroesteVideocamp 2017 promovido por Coruña Dixital no âmbito do Festival Noroeste Estrella Galicia. Uma honra tamanha e um prazer ter participado neste atelier comandado por Juan Lesta, Belén Montero (Esferobite) e Sergio Lago.

Share

#Periferias ~ Noroeste Videocamp 2017

#Periferias é o noso proxecto audivisual dentro do Noroeste Videocamp 2017 de Coruña Dixital. Esta é unha pequena mostra da visión “periférica” do Festival Noroeste Estrella Galicia 2017 por un inspirado equipo composto por Inés Pose, Nerea Mesías, Jorge Lama e mais eu.

Share

Festival Noroeste Estrella Galicia 2017

Share

«O teu corpo a oriente e a ocidente», de Pedro Casteleiro

O teu corpo de Pedro CasteleiroA vontade da Deusa, da Grande Mãe ou da Amada Eterna presidem o livro. Não se admirem, leitoras e leitores, se este livro semelha à vez moderno e antigo. Porque há cousas que não mudam embora nunca ofereçam a mesma figura, como factos diversos sob os quais subjazesse um único gesto divino.

Falarmos em termos de espírito é, todavia, raro nestes tempos. Somos velhas vítimas do autoritarismo eclesiástico e não se torna fácil trazer para a mesa os instrumentos com que a nossa sociedade foi torturada durante séculos, e que são a causa de que muitas pessoas confundam Igreja e religião. Mas nós devemos saltar por cima destes obstáculos referenciais e falarmos abertamente do conteúdo religioso ou, por palavras mais exatas, gnóstico desta obra. Não estamos obrigados a menos, se queremos é transmitir alguma perceção sincera do que é ou pode ser O teu corpo a oriente e a ocidente.

[…] Ler mais

Share

«Quando me deixaste fiquei no escuro»

No fim daquela tão agradável conversa, voltando ao hotel ele propus passarem a noite juntos, mas ela rejeitou a proposta com uma desculpa qualquer. Considerada e distante à vez, mandou um beijinho pelo ar e abandonou o elevador.

Ele entrou no seu quarto e, ademais de invadido por uma acre confusão, não encontrava o modo de fazer funcionar o cartão para ligar a luz. Depois de inúmeras tentativas, resolveu que despir-se sozinho e ter que fazê-lo sem luz já dava para pensar.

De manhã, quando de novo se encontraram, ele disse: “Quando me deixaste, fiquei no escuro”. Ela não percebeu mais do que uma galantaria fora de horas, mas se soubesse o que tinha acontecido com certeza pensaria que só um autêntico poeta é capaz de fazer assim piada da sua frustração.

Share