Raias Poéticas 2017: Luís Serguilha

Raias Poéticas: Afluentes Ibero-Afro-Americanos de Arte e Pensamento

No passado fim de semana tive a oportunidade de participar no Raias Poéticas ~ Afluentes Ibero-Afro-Americanos de Arte e Pensamento fazendo parte de uma delegação galega composta por Ramiro Torres, Teresa Moure e Tiago Alves Costa. Este é o primeiro do cinco vídeos que compõem o nosso contributo plural. […]

Share

Raias do pensamento e da arte Ibero-Afro-Americana

Raias Poéticas: Afluentes Ibero-Afro-Americanos de Arte e Pensamento

Hoje saímos para navegar no Raias Poéticas 2017. Deixaremo-nos levar pelas correntes, exploraremos seus afluentes e tal vez encontremos um novo “Eldorado” mais perto da nossa casa do que cabia pensar…Grato desde já pelo convite do Tiago Alves Costa e do Luís Serguilha, e feliz de contar com na expedição galega com a companhia da Joana Magalhães e da Teresa Moure. Águas ricas em poesia e pensamento livre aguardam por nós, com certeza… […]

Share

O Concello de Arteixo celebrará este venres 19 de maio a cerimonia de entrega de premios do Certame de Narracións Breves Manuel Murguía

O Concello de Arteixo celebrará este venres 19 de maio a cerimonia de entrega de premios do Certame de Narracións Breves Manuel Murguía. […]

Share

Finalistas do Certame de Narracións Breves Manuel Murguía de Arteixo

Certame Manuel Murguía Arteixo 2017 - Xurados

Reunido o xurado o pasado 22 de abril, a organización do Certame de Narracións Breves Manuel Murguía de Arteixo, anuncia os finalistas e céntrase na cerimonia de entrega de premios que se celebrará o próximo 19 de maio, venres, ás 20:00 no Centro Cívico e Cultural de Arteixo. […]

Share

Bolcheviques 1917-2017: Teresa Moure (coord) no Culturgal

Bolcheviques 1917-2017 por Teresa Moure (cood)

«Em 2017 a Revolução Bolchevique faz 100 anos. Boa parte dos acontecimentos deste século pode interpretar-se em relação ao impacto internacional desses ideais revolucionários e à forma como se puseram em prática: alinhamento de países e guerra fria, competitividade entre o bloco socialista e o bloco capitalista, confrontados no campo ideológico mas também no tecnológico e no militar. Paralelamente, produzia-se um conflito subterrâneo que rompia as fronteiras geográficas: filosofias dissidentes introduziam esse cerne ideológico em novas esferas do pensamento; contraofensivas, como as políticas do bemestar, controlavam o avanço do socialismo em países capitalistas; conceções artísticas, símbolos e vanguardas sociais desenhavam um novo mundo. Tudo ficou alterado. Cem anos depois, a velha guarda comunista aproveitará para reivindicar o legado transformador do bolchevismo; o pensamento ultra-liberal para expor à luz alguns episódios de violência e opressão na sua face mais escura.

Este livro pretende ser o contributo galego para essa necessária revisão; uma maneira de participar neste território da Galiza na voragem, se não daqueles acontecimentos, sim da reflexão sobre o seu impacto histórico e ideológico. Bolchevismo e bolchevismo na Galiza.

Duas editoras, a Xerais e a Através, aceitaram um plano sem precedentes: construírem juntas um único livro em dois volumes, marcando uma via de confluência e de inspiração para a convivência das tradições políticas e ortográficas de quem defende neste país a vitalidade da nossa língua e do ensaio redigido nela.» [Através Editora]

Share

“O fim do Apartheid” na Corunha

Manifesto O fim do Apartheid

O manifesto “O fim do Apartheid”, em favor de maior tolerância gráfica para a língua galega, continua ganhando adesões. São já por volta de 1.100 pessoas preocupadas com a decadente deriva da cultura, reintegracionistas ou não, que têm apoiado o texto com sua assinatura consciente. Porque o texto, não tendo que ser por razões de estilo igualmente satisfatório para tod@s, tem a incontestável virtude de ser muito claro no que às suas intenções diz respeito: reclamar o fim da invisibilidade para uma perspetiva da língua que tem sido marginalizada nas últimas décadas embora alguns dos maiores vultos da intelectualidade do país tenha erguido no seu seio grandes obras e o galeguismo referencial do século XX tivesse reconhecido a sua pertinência. […]

Share

Tolerância gráfica

Compromiso por Galicia na Corunha em 2016 por Alfredo Ferreiro

“Tolerância gráfica” é um artigo sobre a escrita da língua galega de Alfredo Ferreiro publicado no jornal digital Praza Pública. […]

Share

“Ostrácia é um não território”

Fotografia da performance e promoção do romance Ostrácia, de Teresa Moure

Inessa Armand (Teresa Moure) e Lenine (Suso Sanmartin) na promoção do romance Ostrácia, de Teresa Moure (Através Editora). Fotografia a partir de fotograma de um vídeo de Alfredo Ferreiro. […]

Share

Inessa Armand e Lenine, cheios de vida

Vídeo de Inessa Armand (Teresa Moure) & Lenine (Suso Sanmartin) na promoção do romance ‘Ostrácia’, de Teresa Moure (Através Editora) no contexto do Culturgal 2015. Entrevista, gravação e edição de Alfredo Ferreiro para a revista Palavra Comum ~ Artes e letras da lua nova. […]

Share